A Revolução da Construção e Arquitetura por 11 tipos de Materiais

16/07/2019
A Revolução da Construção e Arquitetura por 11 tipos de Materiais

E justamente estes materiais tem a potencialidade de, em um futuro próximo, alterar radicalmente a maneira de construir. Além do que, alterar os tipos de construções que conhecemos atualmente.
Dentre as inovações estão mudanças impressionantes em materiais com madeira, plástico, pedras, grafeno e até aproveitamento de organismos biológicos. No entanto, ainda há um caminho a percorrer para que estes materiais cheguem ao mercado! A maior parte deles são resultado de pesquisas acadêmicas, mas é preciso que a indústria se interesse e governos incentivem suas produções.



Confira abaixo, então, 11 materiais inovadores apresentados SuperMaterial em Londres.


ARENITO IMPRESSO EM 3D



Os arquitetos Michael Hansmeyer e Benjamin Dillenburger criaram uma gruta usando arenito impresso em 3D, ampliando, portanto, os limites da impressão 3D.
Além de ter propriedades estruturais interessantes e permitir a criação de formatos que seriam quase impossíveis de esculpir sem tecnologias adicionais, o arenito impresso em 3D também abre uma nova fronteira na reparação de esculturas de pedra.
Usando essa tecnologia, os pedreiros poderiam consertar e reconstruir erosões nas laterais de edifícios e igrejas, por exemplo.


ESPUMA DE ALUMÍNIO



A Cymat Technologies cria seus painéis de espuma de alumínio injetando ar no metal fundido. Uma vez que o metal esfria e solidifica, o material se forma ao redor dos bolsões de ar para dar uma alta proporção resistência-peso.
A espuma de alumínio tem qualidades decorativas, mas também é muito leve e pode ser 100% reciclada. O material, inclusive, é feito com 50% de materiais reciclados e já foi usado como revestimento em vários projetos.


 CONCRETO REFORÇADO COM BAMBU



O bambu é um material forte, apesar de leve e que tem sido usado por um longo tempo na construção tradicional em toda a Ásia – especialmente para aplicações como andaimes.
O Instituto Federal de Tecnologia da Suíça, em Zurique, desenvolveu uma maneira de colocar o material em um novo uso: como um substituto para vergalhões de aço em concreto.
O material é uma mistura de fibras de bambu e uma resina orgânica, garantindo que o bambu não se degrade ou apodreça. O bambu absorve grandes quantidades de CO2, aumentando seu potencial como uma alternativa sustentável ao aço.


CONCRETO BIOLÓGICO



Os proprietários de edifícios gastam dinheiro todos os anos, garantindo que suas fachadas estejam limpas e livres de musgo. Mas e se cultivássemos esses microrganismos em vez de combatê-los?
Essa é a ideia por trás do concreto biologicamente receptivo da BiotA Lab, projetado geometricamente para promover o crescimento de musgos em áreas selecionadas.
Com um pouco de imaginação, isso pode até ser uma alternativa viável para as paredes verdes em grande escala, que muitas vezes podem ser caras de manter. Essa solução exigiria muito pouca manutenção, com os esporos reativando e o musgo crescendo novamente à medida que o tempo muda.


FACHADA FEITA DE POLUENTES



Estes painéis de fachada preta da Made of Air – parte do fabricante de Berlim Elegant Embellishments – são feitos de biochar.
Biochar é um produto residual produzido quando as árvores são queimadas em fornos de pirólise para energia; enquanto 50% se torna energia térmica, o resto se torna biochar.


CONTRAPLACADO RESISTENTE AO FOGO E TINTA PROTETORA CONTRA A RADIAÇÃO DE GRAFENO PRETO



Uma combinação de duas tecnologias de materiais, consiste em compensado à prova de fogo da Specialized Panel Products com sede no Reino Unido.  As camadas de compensado (ou contraplacado) foram mergulhadas em um banho de Burnblock – um retardante de fogo sustentável que funciona bloqueando o oxigênio.
O compensado foi coberto com Proshield Premium, uma tinta de emulsão acrílica que contém grafeno.
Embora esta tinta seja eletricamente condutora, ela também possui propriedades extremamente fortes de proteção contra radiação, bloqueando os sinais de celular e de televisão.
Ele tem um enorme potencial para edifícios como hospitais – e também para escolas, onde você pode pintar o interior de uma sala de aula com tinta grafeno para bloquear sinais de telefones celulares.


GRAFENO IMPRESSO INTERATIVO



Primeiro material bidimensional do mundo, o grafeno tem sido apontado como um fator de mudança para a construção. A Inglaterra foi criada o centro de Inovação de Engenharia em Grafeno, após investimento de 60 milhões de libras, inaugurado na Universidade de Manchester em 2018.
Além de ser o material mais forte conhecido pelo homem, o grafeno também é fino, leve e supercondutor – com a última propriedade sendo explorada aqui.
O centro mostra uma tinta à base de grafeno  usada para imprimir um circuito diretamente no papel – o que significa que quando os usuários pressionam o kit de bateria mostrado no cartaz, eles ouvem o som que eles esperariam.
Um futuro para isso poderia ser realizado em diversos lugares, diminuindo a quantidade de cabos e fios por uma simples tinta.


CELULOSE MICROBIANA ENTRANÇADA



Os grupos da ecoLogicStudio e  Urban Morphogenesis Lab têm investigado diferentes maneiras de cultivar a celulose microbiana.
Este material é uma mistura simbiótica de bactérias, leveduras e outros microrganismos. As equipes de pesquisa desenvolveram uma maneira de manipulá-los em estruturas de camadas – uma forma de bioplástico.
As aplicações práticas para edifícios ainda estão longe, mas as equipes estão investigando se a celulose microbiana poderia ser incorporada em fachadas de edifícios ou telhas.


VIOLINO DE SEDA DE ARANHA



 O estudante italiano Luca Alessandrini tem experimentado as propriedades da seda de aranha – e produziu um violino do material
Assim como o próprio corpo do instrumento é feito de um composto de seda, que com modelagem 3D pode garantir níveis muito altos de consistência no som, o violino exposto no Centro de Construção inclui três fios de seda de aranha Golden Australian .
“Essa seda é cinco vezes mais forte que o aço. Se um homem entrar em sua rede, ele não poderá jamais sair”, diz o pesquisador. “As pessoas pesquisam como funciona para ver se você consegue sintetizá-lo, porque obviamente é difícil treinar uma aranha para fazer o que você quer.”
E as pesquisas com seda de aranha não são apenas sobre resistência. Elas também estão sendo usadas por suas propriedades de ressonância. As aranhas utilizam suas teias para criar sons que atraem suas presas.
O próximo passo para este tipo de material: criação de telhas e painéis acústicos. E se uma nova sala de concertos tivesse esse material para ajudar a ‘sintonizar’ o prédio?


ESTABILIZADOR DE SOLO



Sabemos que viajar por estradas pavimentadas e estáveis é a melhor maneira. Mas também sabemos que nem sempre é assim o caso.
Criado pela empresa norte-americana Aggrebind, de Connecticut, este material é um polímero acrílico estireno à base de água. Quando combinado com a terra, pode efetivamente ligar poeira e estabilizar o solo, permitindo que estradas de terra sejam seguras e estáveis.
Também não precisa de cimento ou maquinaria pesada em excesso, tornando-a uma solução viável para comunidades mais pobres e mais rurais. A Aggrebind diz que pode reduzir o custo da construção de estradas em 60%, empregando trabalhadores locais no processo.
Ao pulverizar o material, ao invés das estradas de terra sofrerem com as chuvas, ela estará  selada. Apesar de muito simples, é uma tecnologia radical.


MADEIRA TRANSPARENTE



É madeira, mas não como a conhecemos.
Pesquisadores descobriram uma maneira de retirar a lignina da madeira e substituí-la por um polímero sintético. Isto permite com que uma tira de 1 mm de espessura se torna 85% transparente.
Crucialmente, embora seja transparente, mantém sua força.
Uma das motivações para a madeira transparente diz respeito a suas propriedades térmicas são muito melhores que as do vidro. Sem contar no efeito estético.

@GLOBOCONSTRUTORA